5 séries novas que merecem ser vistas

Começou nas Terras Gringas a Fall Season, temporada de outono em que as principais séries da televisão voltam ao ar com novos episódios. Nessa mesma época são lançados vários projetos novos para tentar conquistar os nossos corações e a nossa audiência audiência deles, a audiência de quem assiste pela internet não importa muito.

Como em todo início de temporada, o Banco de Séries lançou o desafio para quem quiser assistir todos os pilotos da Fall Season 2016. Dos poucos que eu consegui assistir - boa parte deles não vi até o fim, minha paciência não está muito grande - cinco das séries que mereceram entrar na fila das séries que verei algum dia. Sim, só vi os pilotos.


É cedo para começar a assistir? Talvez seja. Nesse momento, ninguém sabe se as séries terão uma temporada completa, se o projeto será encerrado abruptamente, se haverá um final decente, se continuará pelos próximos anos... Tudo o que eu posso garantir é que essas quatro séries merecem um pouquinho do seu tempo, mesmo que seja apenas para o episódio piloto.



This Is Us

A série acompanha a vida de três pessoas que nasceram no mesmo dia, cujas vidas de algum modo se entrelaçam. O primeiro episódio se passa no dia do aniversário, cada um enfrentando um desafio particular. Jack espera sua esposa em trabalho de parto de trigêmeos. Kevin é um ator galã buscando significado. Kate é uma mulher obesa que inesperadamente descobre o amor. Randall encontra pela primeira vez seu pai biológico.

Pois é, nenhum poder especial que conecta as pessoas, isso aqui não é Sense 8.
Na verdade, pessoas normais podem ser interessantes, sabia?

É um drama emocionante e muito fácil de se identificar. Não bastasse a internet estar super empolgada com o piloto, a avaliação média dos primeiros cinco episódios é altíssima. This is us traz grandes promessas de ser o próximo drama familiar que vamos acompanhar pelos próximos anos.

Speechless 

Do drama para a comédia, ainda com o tema de família, mas essa é uma comédia familiar diferente, pois retrata uma família com uma pessoa com deficiência. O mais velho dos três filhos sofreu paralisia cerebral: ele não anda, nem fala, nem por isso é uma vítima. É um adolescente com humor excelente, e a família não fica atrás. Ele tem dois irmãos menores que retratam bem o dilema do filho especial. O pai é um cara super de boas e a mãe é apenas Minnie Driver, que no meu dicionário significa rainha da comédia.

Deixe o coitadismo de lado. A deficiência de JJ não afeta o seu senso de humor.
E sim, esse é aquele cara de língua presa de TBBT.
A história começa quando todos se mudam para um novo bairro e uma nova escola somente para que JJ tenha um acompanhante em tempo integral para ajudá-lo a se comunicar com o mundo. O tema da série é retratado de forma honesta, mas ainda há uma leveza. Vamos combinar que, nos dias de hoje, comédias que fazem rir de verdade sem precisar tirar as crianças da sala merecem audiência.

Queen Sugar 

Outra família, outro drama. Três irmãos que seguiram caminhos muito diferentes, cada um enfrentando o seu drama peculiar, voltam a se encontrar diante da morte do patriarca. Agora eles precisam lidar com a fazenda de cana de açúcar deixada pelo pai que, eles descobrem, já não é cultivada há algum tempo...
Relacionamentos entre irmãos são os meus favoritos em tramas de família.
(Essa série é um desfile de gente bonita <3)
Esqueçam o drama leve, o piloto pretende te levar às lágrimas antes do fim. Fotografia interessante, trilha sonora comovente, boas atuações. Pra ser bem sincera, eu gostei mais desse piloto do que de This is us.

Designated Survivor 

Para quem não curte esse negócio de família, uma série que fica entre House of Cards e Homeland. Um ataque terrorista que mata todo mundo que é importante inesperadamente faz de um funcionário público de alto escalão o novo presidente dos EUA. Esperem conspirações, traições, jogo político e artimanhas e o Jack Bauer finalmente mandando nessa zorra.

Não dava pra esperar o rapaz trocar esse moletom antes do juramento, né?
Não faço ideia se essa regra do sobrevivente tem algum fundo de verdade. Em outras séries, sempre me pareceu que alguma dessas pessoas importantes ficaria de fora da festa, caso o pior aconteça. Mas você consegue imaginar os impactos de uma situação dessas? Já pensou se, do nada, você se torna presidente? O que você faria?


The Good Place 

Ainda existe comédia sem família? Existe The Good Place, em que a protagonista Eleanor descobre que após a morte existe um lugar para as pessoas boas e ela foi parar ali... por engano. O problema é que ela não pode ser uma pessoa horrível e continuar onde está, por isso precisa aprender como ser alguém decente com o seu parceiro.

Pessoas boas são descobertas pelo minucioso cálculo de todas as boas ações praticadas em vida.
Por exemplo, quando você desistiu daquele post no Facebook sobre a morte do David Bowie.
Cheia de tiradas irônicas e uma boa dose de humor negro, afinal não podemos esquecer que, para estar no lugar bom, todas as pessoas estão mortas. O cenário lembra uma distopia, como o mundo perfeito de O Doador de Memórias. A necessidade de perfeição e a insanidade dessa proposta brincam com a natureza humana - somos todos seres horríveis - de um jeito muito leve e engraçado.

Tenho que confessar que essa Fall Season caprichou nas séries novas. Não dá para acompanhar todas ao mesmo tempo, mas no Banco de Séries eu posso guardar na geladeira as séries que eu quero ver depois. Além dessas, você pode querer dar uma olhada em Notorious, Lethal Weapon, Pitch, Easy e Bull, mas ainda há muita série nova que eu ainda não assisti. Você encontrou alguma coisa interessante?

0 comentários: