Meus lugares favoritos em Curitiba

Eu já morei em muitos lugares diferentes. Cidades pequenas médias e grandes, no sul e no norte, no litoral e no interior, cidades novas e antigas, mas nenhuma cidade era tão bonita quanto Curitiba. Nos quatro anos em que vivi na capital do Paraná, colecionei alguns lugares favoritos. Não é fácil escolher alguns lugares para visitar em uma cidade com museus, teatros, restaurantes, cafés, livrarias <3, sem falar nos mais de trinta parques, mas sempre tem aquele lugar especial...




Vamos começar com o mais conhecido, o principal cartão postal de Curitiba. Pode ser uma visita curta ou rápida, mas não pode faltar se você quiser contar pras pessoas que esteve na capital do Paraná. Sem uma foto com a estufa e os jardins geométricos ninguém vai acreditar em você. 


Se quiser levar comidinhas, há bons locais para estender a toalha e fazer um piquenique. Os entusiastas da botânica passarão um bom tempo observando as espécies na estufa. O Jardim das Sensações é um passeio divertido para adultos e crianças, explorando todos os sentidos com os olhos vendados (não é proibido tirar a venda, só é mais legal fazer às cegas). Trilhas, museu, espaço cultural, velódromo... são 178 mil metros quadrados e muitas opções para aproveitar o verde no meio da cidade. Dá pra ir rapidinho só pra conhecer, dá pra aproveitar o parque o dia inteiro...

O nome oficial é Bosque João Paulo II, mas é assim que ele é chamado pelos locais. O bosque contém mais de trezentas araucárias, a árvore símbolo do Paraná. No centro, sete casas típicas polonesas foram montadas em forma de aldeia, em homenagem aos imigrantes. 



O que eu mais gosto sobre esse parque é que geralmente está vazio. O parquinho para as crianças não tira o sossego do lugar. No outono, os plátanos deixam cair suas folhas coloridas sobre os banquinhos de madeira. Se estiver com tempo, leve um bom livro e uma garrafa de chocolate quente. Se quiser otimizar a visita, pegue a trilha para o museu.



Os traços do famoso arquiteto brasileiro são evidentes no prédio, que queria ser uma araucária, mas ficou conhecido como "Museu do Olho". O acervo permanente do museu é precioso, e as exposições temporárias costumam ser sempre interessantes, fazendo valer a pena até para quem já visitou. O café tem cardápio diferenciado no horário do almoço.



O valor do ingresso é pequeno, quase simbólico considerando as obras que estão em exposição e o que eu já vi em outros museus por aí. Em alguns dias pontuais há gratuidade para todos os visitantes, confira no site do museu.

Parque Tanguá, Pedreira Paulo Leminski e Ópera de Arame

Um dos mais belos parques de Curitiba, localizado em uma antiga pedreira. Vale a pena vencer a distância para conhecer. Aproveite a vista do mirante, dê a volta pela pista de caminhada para contemplar a cascata, atravesse a gruta. É um lugar ótimo para tirar fotos e contemplar o céu de Curitiba.



Perto dali ficam outros lugares importantes da cidade: a Pedreira Paulo Leminski, que passou muitos anos desativada e agora volta a receber shows com sua acústica natural extraordinária, e a Ópera de Arame.


Praça Santos Andrade

Um pedaço do meu coração ficou nessa praça, onde está o prédio histórico da UFPR. Mas não pense que a minha sugestão é puramente sentimental. O prédio é o símbolo oficial de Curitiba e grande parte das instalações é aberta ao público.




Não é raro encontrar na praça uma feira sazonal ou uma companhia de teatro de rua se apresentando em frente às escadarias do prédio histórico. Muitos banquinhos à sombra das árvores acolheram cenas de amor. Do outro lado da praça está o Teatro Guaíra, o maior do Paraná e um dos maiores da América Latina. Me faça passar vontade comendo cheesecake de bluberry no Café Exprèx.


Centro de Curitiba

O centro de Curitiba contém muitos prédios históricos preservados, praças, parques e outras intalações que ressignificaram construções antigas. O primeiro parque da cidade, Passeio Público, foi inaugurado em 1886.



A Rua das Flores é um trecho da Rua XV de Novembro por onde transitam somente pedestres. Cerca de um quilômetro de calçamento em petit pave, ladeado por lojas e centros comerciais em prédios preservados, abriga artistas de rua e canteiros de flores. É onde fica o Bondinho, o Palácio Avenida e a Boca Maldita.


Nas proximidades da Rua das Flores, o Paço da Liberdade é aberto a visitas e conta com exposições, biblioteca e café. Na Praça Tiradentes, ao lado da Catedral de Curitiba, está o marco zero da cidade. Um pouco mais acima está o Largo da Ordem, um espaço histórico preservado que recebe uma tradicional feira aos domingos.

Outras dicas


  • Dia de sol é dia de parque, dia de chuva é dia de shopping. E quase sempre chove. Curitibano ama shopping, há vários pela cidade, de todos os tamanhos e para todos os públicos. A maioria deles possui bons restaurantes como Outback, Madero e Babilônia.

  • A cidade é muito bem servida com linhas de ônibus convencionais que levam a todos os lugares. Há também uma linha turística com ônibus de dois andares que fazem paradas nos pontos turísticos da cidade. Na minha última visita, usei ônibus e Uber o tempo todo.

  • O Mercado Municipal tem restaurantes ótimos com preço bom. O bairro Santa Felicidade é famoso pela gastronomia italiana. Para uma experiência mais local, coma um cachorro quente com duas vinas. No centro histórico há restaurantes para todos os gostos e bolsos.

  • O parque Barigui é famoso, é bonito, dá pra ver capivaras. O Bosque Alemão é muito fofo e tem uma cantina de tortas deliciosas no final do passeio. Dá pra passar por ali quando for para o Tanguá.

  • Todas as fotos são minhas. As bonitas foram clicadas pelo Andress Ribeiro no ensaio que fizemos antes do casamento nos lugares favoritos <3
Você tem um lugar favorito em Curitiba? Qual a sua sugestão para quem quer conhecer a capital do sul do mundo?

0 comentários: