Underwood & Cia.

Acho que aconteceu quase ao mesmo tempo. A política deixou de ser assunto para os tiozinhos que leem jornais de papel no café-da-manhã e passou a fazer parte dos assuntos da turma do churrasco, das redes sociais e da cultura pop. Todo mundo sabe - mais ou menos - o que está acontecendo aqui e mundo afora e tem - mais ou menos - uma opinião sobre isso.

Com as tramas políticas dos noticiários conquistando a audiência, a ficção tratou de tentar promover o entretenimento em conformidade com os novos interesses da população. Embora esteja cada vez mais difícil competir com a realidade, temos algumas séries que podem entreter os que aguardam a próxima temporada - da ficção ou da vida real.



Essa série não entende o conceito de equilíbrio. Ela só sabe ser muito boa ou muito ruim. E falando em muito ruim, passou por uma fase péssima entre a quarta e a quinta temporada, mas voltou tão boa para a sexta que não dá nem pra acreditar.
O trabalho sujo para esconder os escândalos - ou pelo menos diminuir o estrago, as campanhas eleitorais na disputa pelo salão oval e os bastidores do poder - e os bastidores dos bastidores. Pessoas horríveis, segredos de Estado, primeiras-damas e primeiras-amantes.
Tem cinco temporadas na Netflix, a sexta acabou de terminar na TV americana. Volta no ano que vem para a sétima e última temporada da série.

Ué! Essa série não é de tribunal?! Nos Estados Unidos alguns cargos jurídicos também são eletivos, portanto quem almeja um bom cargo público, ainda que no Judiciário, normalmente está buscando uma carreira política, e pode transitar entre funções judiciárias, legislativas e executivas, conforme as suas ambições e do seu capital eleitoral.
Escândalos sexuais - que no Brasil ninguém liga, mas parece que nos Estados Unidos têm bastante impacto nas eleições - pipocam toda hora, assim como os casos de corrupção. No entanto, os casos judiciais conseguem ser ainda mais interessantes que a trama dos personagens: bitcoins, sequestro de dados, carros que dirigem sozinhos, entre outros temas tecnológicos que desafiam a justiça são debatidos na corte, sem falar nas liberdades em geral que volta e meia são confrontadas.
A série já está finalizada e todas as sete temporadas estão disponíveis na Netflix.

Passando para as conspirações internacionais, a história de Homeland começa com uma agente da CIA desconfiada de que um aclamado herói de guerra seja, de fato, um agente convertido e reinfiltrado no país pela Al-Qaeda.
As sucessivas temporadas mostram que é difícil saber em quem confiar - aparentemente todo mundo tem intenções ocultas. Essa rede complexa num contexto de terrorismo e relações internacionais frágeis é terreno fértil para criar e cultivar teorias conspiratórias, temperadas pelo drama dos transtornos psicológicos da personalidade principal.
As temporadas são curtas. Quatro delas estão na Netflix, mas a série acabou de terminar a sexta e não tem previsão para encerrar os trabalhos.

Espiões da KGB vivendo como uma perfeita família americana enquanto trabalham em missões secretas fazendo o trabalho da mãe russa no solo inimigo durante a Guerra Fria. É ou não é a série que estava faltando no mundo?
Com uma qualidade incrível, eu poderia inclusive arriscar dizer que é a melhor série em exibição no momento. Eles equilibram todos os aspectos da vida dos espiões com tamanha coerência, que até parece que é fácil.
Ah! A série foi construída de forma fechada - quer dizer que é uma história com começo, meio e fim, sem enrolação pra aproveitar a audiência, sem roteirista sem saber o que fazer depois de fechar uma trama. Três temporadas estão na Netflix, a quinta acabou de ser exibida na TV americana. Retorna na Fall Season para a última temporada.

Além dessas, outras séries utilizam a política como combustível para as suas histórias. Já me recomendaram, mas eu ainda não vi Designated Survivor, sobre um alto funcionário que assume a presidência dos Estados Unidos quando, inesperadamente, todo mundo morre. Na linha cômica, temos Veep e Parks and Recreation. Dizem que é bom, eu nunca vi. É por sua conta e risco.

Conhece outra série bacana com esse tema? Indica aí!

0 comentários: