Fútil

A internet é uma vitrine de pessoas: a maioria das pessoas que usam essa vitrine, isto é, que têm acesso à internet, o fazem pelas redes sociais. Alguns dizem que não dá pra conhecer uma pessoa através dessa vitrine - dizem que ela só mostra uma face, muito maquiada e editada para criar uma impressão. Outros dizem o contrário, que na internet a gente percebe a verdade oculta sobre os outros, aquilo que fica contido na vida real, transparece no virtual.



Provavelmente é tudo verdade - a gente maquia e edita demais o que vai para as redes sociais, mas, ainda assim, a gente revela muito mais do que pretende em cada publicação. Tem gente que usa a internet como ferramenta de trabalho, outros para cultivar hobbies e compartilhar interesses, conhecer pessoas e encontrar conhecidos, muita gente também só está aqui pela zoeira.

Cada um, do seu jeito, procura ser interessante, e esse jeito de ser interessante depende muito de como se quer exibir, como você quer ser conhecido. É muito comum usar redes sociais diferentes para exibir traços diferentes - gente séria no Linkedin, culta no Facebook, mas com um Twitter oculto para falar a abobrinha que quiser. 

Nesse esforço de construir uma imagem muitas vezes a gente deixa de falar, pra não parecer que (insira aqui característica indesejada). Eu tenho certeza que nem todos os posts desse blog são interessantes pra você, porque não acho possível que mais alguém se interesse por absolutamente tudo o que me interessa. (Se eu estiver errada, entre em contato, precisamos nos falar). Mas ainda assim, a questão da "imagem" às vezes é uma barreira.

Quem nunca deixou de falar alguma coisa - em qualquer lugar da vida ou da internet - para não parecer fútil? Existe até uma expressão - "guilty pleasures" - pra falar de coisas que a gente gosta, mas tem vergonha de confessar.

No entanto, não existe em cada um de nós um pouquinho de "futilidade"? Quem fala sobre política e economia não pode trocar receita de bolo? Falar sobre cuidados de beleza e cosméticos tem algum impacto na capacidade de uma pessoa de falar sobre outros assuntos? Quem define o que é um interesse nobre e o que é guilty pleasure?

Ninguém pode ser interessante o tempo todo. Aliás, ser interessante o tempo todo é um jeito fácil de se tornar uma pessoa chata. As pessoas são diferentes e têm interesses diferentes - até mesmo a sua alma gêmea, aquela pessoa que combina com você em tudo, pode, sei lá, torcer para o Corinthians.

Ninguém é culto o tempo todo sem ser chato. Ninguém é engraçado o tempo todo sem forçar. Ninguém é uma coisa só.

0 comentários: